Experiência: confecção de órteses.

capa

Por: Ingrid Fonseca

No dia 5 de maio de 2017, a turma do terceiro ano de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de São Paulo tiveram a experiência de confeccionar algumas órteses na aula de ART V, de Tecnologia Assistiva.

A professora Ana Célia nos deu um caso fictício, de um homem de 40 anos que se chama José e que sofreu uma Lesão Medular por arma de fogo ao nível de C6. Também nos informou que José gostava muito de jogar baralho e que era muito vaidoso.

Devido a essas informações, conseguimos pensar nas atividades que possivelmente seriam importantes para José. Como ele era um homem vaidoso, possivelmente ele faria as atividades básicas de higiene, como se barbear, pentear o cabelo, entre outros.

Pensando nisso, a professora nos deu sete atividades sendo elas de vida diária e instrumental, e nos dividimos a sala em grupo de trios.  As atividades eram:

  1. Alimenta-se sozinho.
  2. Higiene bucal.
  3. Escrita manual.
  4. Jogar baralho.
  5. Uso do computador.
  6. Barbear.
  7. Leitura.

Em todas as atividades, focamos em quais movimentos e músculos o José tem preservado. Como músculo-chave ele tem o Extensor Radial do Carpo; os movimentos remanescente são abdução do braço, flexão do antebraço e extensão do punho e tem preservada como função manual a pressão palmar, pinça-chave e flexores dos dedos.

ORTE.jpg
Turma 10 confeccionando órteses.

Depois de todas essas informações começamos os trabalhos. Usamos muita a tesoura, cola, EVA, espaguete para piscina, velcro, palito de churrasco, palito de sorvete, cartolina, tecido, muita muita muita cola quente mesmo, e outros diversos materiais. Cada atividade teve sua peculiaridade nos uso dos materiais e outras repetiram bastante. Após finalizados cada grupo apresentou para a turma o que confeccionou.

 

O grupo do alimenta-se sozinho fez engrossadores de garfo e faca que contém alças para facilitar que o José consiga segurar esses talheres com facilidade, já que a força muscular de pressão dele não é forte. O grupo também colocou velcro no corpo como se fosse alças, para ele segurar melhor, no entanto foi dito pelo grupo que esse material  não seria o melhor para isso por questão de higienização.

WhatsApp Image 2017-05-05 at 17.51.08 (3).jpeg
Órteses para a alimentação.

O aparador o grupo encontrou nawhatsapp-image-2017-05-05-at-17-51-09.jpeg sala de AVD e serve para que o José consiga colocar a comida no garfo.  O grupo colocou um EVA com uma textura mais crespa para que o prato não derrapasse enquanto o José cortasse e pegasse a comida.

O grupo de Higiene Bucal confeccionou também engrossadores devido ao comprometimento na preensão e colocou uma alça de velcro, que pode se ajustada dependendo do tamanho da mão do cliente.

WhatsApp Image 2017-05-05 at 17.51.09 (1)
Rose demostrando a órtese do seu grupo.

O grupo da escrita manual confeccionou algo parecido com uma órtese chamadaWhatsApp Image 2017-05-05 at 17.51.06 aranha mola que facilita na escrita. Foi feito usando apenas um pedaço de espaguete de piscina, fita adesiva preta e cola quente. A órtese tem três encaixes. O primeiro é o encaixe do dedo polegar, o segundo da caneta/lápis e o terceiro dos dedos indicador e médio. A órtese aranha mola custa em média R$60 e os matérias usados na órtese desse grupo pode ser encontrado em casa e é de baixo custo, podendo se produzir dezenas.

ortese

O grupo do jogar baralho, uma atividade muito importante para o José, confeccionou dois objetos que facilitariam que José jogasse sem ter que segurar as cartas. O objeto de cima tinha uns espaços para prender a carta e o de baixo deixava a carta encostada e existia uma facilidade maior de pegar e deixar a carta. Os dois objetos foram feitos com EVA e cola quente.

 

O próximo grupo é o do uso do computador. Eles confeccionaram uma órtese ortchamada Ponteira que tem como a função a digitação e apertar qualquer outro botão do teclado. Foi feito com EVA e palito de churrasco. Eles também colocaram alças para facilitar na hora do cliente utilizar.

O grupo do se babear também fez engrossadores para o aparelho de babear e para o pincel com EVA e espaguete de piscina.  Eles ressaltaram o uso do espelho estético, que aproxima a imagem da pessoa para facilitar na hora de se barbear.

WhatsApp Image 2017-05-05 at 17.51.07 (2)
Aparelho de babear e pincel com engrossadores.

fina.jpgE por último, o grupo da leitura, que foi o grupo que eu compus. O meu grupo e eu pensamos no processo da leitura e qual seria a dificuldade de José, e concluímos que a dificuldade principal devido a Lesão Medular seria de virar as páginas, pois necessita de um movimento de pinça bem delicado para isso. E pensando nesse movimento começamos a pensar em objetos que poderíamos criar que faria essa função de pinça, e por sorte achamos um pregador. Colamos dois palitos de sorvete no pregador, e logo o movimento de pinça-chave seria o suficiente para apertar os palitos de sorvete, que iriam apertar o pregador e o pregador que seguraria as páginas, podendo assim virar as páginas. E por fim, colamos com cola quente junto com um velcro para que pudesse ajustar dependendo do tamanho da mão do cliente.

Concluído, foi incrível ter essa experiência. Como futura Terapeuta Ocupacional sei o quanto é importante esse exercício de pensar o que se quer fazer, as etapas dessas atividades, se vai precisar de alguma adaptação e se sim o que pode ser utilizado. E dependendo do contexto, pensando no baixo custo, no que é acessível para o paciente/cliente.

Anúncios

Deixe um comentário :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s