CURSOS GRATUITOS: Terapia Ocupacional em diversos contextos!

Olá T.O.s e futuros T.O.s lindos, como estão? Nós do AtividART acreditamos que as ferramentes virtuais podem ser usadas para facilitar o processo de aprendizagem, tendo em vista que elas quebram todas as fronteiras institucionais, espaciais, temporais, geográficas. O mundo virtual nos oferece inúmeras possibilidades, uma delas é a capacitação e formação profissional complementar através de cursos online.

Imagem relacionada

 Tem muito curso bacana e com temáticas importantes disponíveis na internet; Hoje trouxemos alguns sites que estão com INSCRIÇÕES ABERTAS para vocês:

Os cursos  podem ser desenvolvidos tanto pelas Instituições de Ensino Superior que compõem a Rede UNA-SUS, quanto pela Secretaria Executiva UNA-SUS. As ofertas possuem enfoque prático, baseado no dia a dia de trabalho dos profissionais do SUS e em suas reais necessidades. Médicos, enfermeiros, dentistas, agentes comunitários de saúde, gestores, entre outros trabalhadores do SUS, são certificados em diversos níveis de capacitação. Há cursos rápidos, com carga horária de 2 horas até 30 horas.

Cursos abertos:

 

 

 

“Missão: Produzir Conhecimentos, formação e ajudar o Brasil no seu desenvolvimento econômico, social e cultural e prestar serviços que atenda as demandas e o anseio de nossa sociedade.”

Nesse site os cursos são gratuitos, mas os certificados são pagos. Caso não queira pagar, vale o aprendizado =D

Alguns cursos:

*consultado em 15/03/2017

Conhece algum outro site? Compartilhar com a gente!

Anúncios

Workshop – O corpo como território do sensível, em São Paulo

Segue a sugestão de evento que recebemos por e-mail!

o corpo como território do sensível
Dia 18 de março – 10h às 18h

Workshop inspirado na poética da artista Lygia Clark,é um convite para vivenciar as paisagens afetivas do corpo a partir do encontro entre arte e clínica. Será composto de duas partes:

Paisagens afetivas (manhã)
A partir da noção de marca corporal presente nas práticas psicomotoras, serão propostas algumas práticas ligadas ao campo sensível do corpo e ao contato com memórias pessoais. Exercícios em dupla ou trio serão realizados, a partir da exploração e toque no corpo.

A poética de Lygia Clark (tarde)
O grupo realizará coletivamente uma das proposições criadas pela artista e depois explorará alguns objetos relacionais trabalhados por ela na Estruturação do Self. Lygia Clark (1920-1988) Juntamente com Helio Oiticica, Lygia Pape, Ferreira Gular e outros participa do Movimento Neoconcreto no Rio de Janeiro. Com a série Bichos, de 1960, cria construções metálicas geométricas que requerem a co-participação do espectador. Reside em Paris entre 1970 e 1976, período em que leciona na Sorbonne. Lá cria uma série de proposições coletivas com materiais que estabelecem relação entre os participantes. Retorna para o Brasil em 1976; dedica-se ao estudo das possibilidades terapêuticas da arte a partir dos objetos relacionais na Estruturação do Self.

Coordenação:
Maíra Gerstner
Artista, educadora e terapeuta. Formada em Artes Cênicas pela USP, é também mestre em Comunicação pela UFRJ. Tem formação em psicomotricidade (Instituto Anthropos/RJ) e estudou a obra de Lygia Clark com nomes como Gina Ferreira (RJ), Lula Wanderley (RJ) e Santiago Garcia Navarro (ARG). Foi professora temporária na EBA-UFRJ (2015/2016) e vem realizando o workshop “O corpo como território do sensível” desde 2013. Coordena diversas práticas na fronteira entre a arte e a clínica (workshops, grupos e atendimentos) pela Fios do ser (www.fiosdoser.com.br).

INVESTIMENTO: 
até 10/03 – R$ 200 (R$ 180 p/ estudantes)
até 15/03 – R$ 220 (R$ 200 p/ estudantes)
depois 15/03 – R$ 250 ($ 230 p/ estudantes)

INSCRIÇÕES: 
territoriosensivel@gmail.com
(11) 95923 4562 (whatsapp)

MAIS INFORMAÇÕES:
http://www.fiosdoser.com.br/
https://www.facebook.com/territoriosensivel

Reflexão “Em tempos de PEC 55…”

Discurso de abertura da III Jornada de Terapia Ocupacional, feito pela coordenadora do curso de T.O. na UNIFESP, Patricia Leme de Oliveira Borba.
iii-jornada-de-terapia-ocupacional-unifesp-21

“Estamos muito felizes com a presença de todas e todos aqui conosco nessa edição da Jornada da UNIFESP.

Em tempos de PEC 55 e da nossa Ocupação, entendemos que a Jornada faz parte desse momento como fonte de de luta e resistência.

Gostaria de fazer uma breve reflexão que faço e exercito já há algum tempo: ao escolhermos uma profissão como a Terapia Ocupacional entramos em lutas cotidianas junto com nossos pacientes/usuários, luta por autonomia, luta por direitos, luta por bem estar, luta por qualidade de vida; frases que nos discurso podem se esvaziar de sentido, mas que na lida do dia a dia engravida de sentido e significado.

Se somos resistentes, resilientes e lutadores por princípio com o outro, vamos ter que ter mais agilidade, enquanto profissão, de entender aonde reside a dificuldade da passagem dessa experiência exitosa de luta junto com o outro, e transformar em luta em prol da nossa profissão.

Assim, ao assumirmos entre nós (Curso) a dificuldade que temos de instaurar o lugar do TO na Atenção Básica na Baixada Santista – criamos COLETIVAMENTE mecanismos e estratégias de enfrentamento; assim nasce o evento, contando com Terapeutas Ocupacionais, parceiros, ex-alunos que possam a partir do compartilhamento de suas experiencias e suas reflexões nos ajudar a ampliar nosso espaço na Atenção Básica na Baixada Santista.

Agradeço, em especial a todos os alunos que compõem a comissão organizadora desse evento – Alynne Albuquerque, Ana Suemi, Crislene Pereira, Dayane de Freitas, Gabriela Lemos, Graziele Alves, Ingrid Fonseca, Julia Margaritelli, Leticia de Araújo, Lucas Nicácio, Lucas Ono, Luiza Fabro, Mateus do Amaral, Virginia Alcântara – e as Profªs. Lúcia Uchôa e Stella Nicolau, que assumiram esse projeto do curso.

E agradeço aos meus alunos ocupados na gestão de um novo movimento social, por nos/me ensinar, lutar e resistir.”

Tenda do Brincar na UNIFESP Baixada Santista

Seguindo nossas postagens sobre a Semana Mundial do Brincar, hoje toda a equipe do blog AtividART veio contar sobre a experiência da Tenda do Brincar, atividade proposta pela turma 09 da terapia ocupacional e pelas profªs Andrea Jurdi e Carla Cilene, do módulo de Atividades Lúdicas e Lazer (ART III).

WhatsApp-Image-20160524

Na terça-feira (24/05), das 11h as 14h, o saguão lateral do campus foi todo preparado para proporcionar aos alunos e aos demais que ali passassem um momento descontraído e de lazer. Músicas, jogos e brincadeiras que remetiam a infância e permitiram a vivência que viemos relatar hoje.

Antes dos relatos, trouxemos também um vídeo, feito pela própria equipe no dia do evento, para que todos possam sentir (ou relembrar) a atividade e o “clima de sorrisos” do dia.

Experiências:

11150914_665666040227022_327412784384914078_n
“Walty Disney já dizia: os adultos são apenas crianças crescidas. E nesse evento, podemos ver vários jovens/adultos deixando a sua criança interior reviver. Jovens adultos com brilho nos olhos, sorriso estampado e muita alegria, esquecendo-se dos problemas, responsabilidades, assim como eram quando crianças, apenas sorrindo e brincando.” – Gabriela, T.O. 11

“Em um12079120_756826447752665_2948341217465295757_na das semanas mais conturbada que tive nesse semestre, uma pausa para alho que há muito tempo não fazia: brincar. Incrível ver como isso é algo que faz parte de nós, como a sensação gostosa de pular amarelinha é a mesma ou a felicidade ao cantar as músicas que fizeram parte da nossa infância. Me senti renovada ao sair de lá, não vi o tempo passar enquanto ia em todas as mesas possíveis. Outra coisa que achei incrível foi a interação que esse momento nos proporcionou, pessoas que nunca se falaram antes juntas, rindo e relembrando brincadeiras antigas. Foi lindo. Acho que isso é a melhor forma de definir.” – Ana, T.O. 10

“Achar que o brincar é uma atividade exclusiva para crianças é uma forma equivocada de se 12391243_1042078165858282_4419397419868071202_nviver ou deixar de viver. Mesmo o brincar ser essencial para crianças, no dia de hoje, realizar brincadeiras sem a presença delas, me confirmou a necessidade de outras fases da vida também realizar tais atividades.
A experiência de reviver brincadeiras e jogos que praticava na infância, como amarelinha, por exemplo, foi a forma mais agradável e divertida de passar o horário de almoço e fazer algo diferente no meu cotidiano.” – Mateus, T.O. 10

12654183_1134775306574334_8407997226081545554_n“Eu estava doente, em uma semana super pesada na faculdade, e quando desci para brincar na tenda foi uma sensação tão boa que não queria ter que sair de lá para almoçar e voltar para aula depois. Reviver as brincadeiras que fizeram parte da minha infância, conhecer outras maneiras de brincá-las e conhecer jogos que nunca tinha visto, deu uma quebrada positiva nessa rotina da universidade e nos faz refletir o por que propor brincadeiras e atividades lúdicas é tão importante.
As pessoas rotulam o brincar como algo exclusivo da criança, mas nesse evento provou que não, pois a atividade foi proposta a um grupo composto em sua maioria por jovens e adultos, que ficaram bem contentes com a atividade e no outro dia ainda ficaram me perguntando se a proposta iria ser a semana inteira e queriam mais, assim como eu.” – Dayane, T.O. 10

11101165_963530970349869_1059148627_n “Mesmo estando a maior parte do tempo atrás da câmera a experiência foi muito significativa. Ouvir cada depoimento dizendo o quão aliviador estava sendo aquela quebra de rotina e o sentimento nostálgico que as atividades e ambiente proporcionaram pra mim já foi suficiente. Mas, é claro que não ia ficar só de espectadora, também brinquei, aprendi, cantei e sorri junto com os colegas. A universidade precisa de mais atividades coletivas e prazerosas assim.” – Alynne, T.O. 09

12734051_1023827890996598_6121926972944079595_n “Foi uma experiência com uma energia muito positiva, todos estavam realmente entretidos e felizes, boa parte das pessoas ficaram bastante tempo ou  até mesmo até o final o que mostra que a proposta foi bem eficiente. O que mais me chamou a atenção foi a paciência e a principalmente a vontade  que as pessoas tinham de ensinar determinado jogo para as outras. Em meio de toda a agitação que passamos pela semana ter algo que nos faça aproveitar os pequenos momentos da vida é gratificante, pois não percebemos a importância de algo que parece tão simples mas na verdade não é, faz diferença. Cada dia que passa eu me orgulho mais da profissão que escolhi pois valorizamos muito esse ato do brincar e entre outras atividades.” – Gabrielle, T.O. 11

12814197_915588625203748_7930955525788737444_n” Nós já sabemos o que esperar de uma terça-feira na faculdade. Ou de uma segunda, quarta, quinta… Temos mais ou menos noção de como será o dia baseado no que sabemos do nosso próprio cotidiano. Essa semana foi diferente, e foi muito divertido ver como as pessoas, e nós mesmo, reagimos à esta mudança. Principalmente quando a mudança é algo tão positivo quanto uma tenda de brincadeiras celebrando a semana mundial do brincar. Algo muito recorrente nos depoimentos dos alunos que participaram dos jogos e brincadeiras propostas pela atividade foi apresentar o fato de que temos uma semana muito pesada, e quase sempre cansativa e do quanto é incrível quando temos uma atividade diferente como essa. Ter um momento como esse para descontrair e sair da rotina acadêmica comum, foi uma experiência extremamente agradável. Além de nos sensibilizar para a questão do brincar e de como essa é uma atividade de extrema importância não só para o desenvolvimento infantil mas para que exploremos experiências em diversas fases da vida.” – Grazi, T.O. 10

12980574_1183950268323504_67348619_n“Brinquei sim. E muito! Gosto muito da semana mundial do brincar, como minha mãe é pedagoga sempre frequentei nas escolas as oficinas especiais da semana do brincar, e esse ano tive oportunidade de experimentar na faculdade. Admito, nunca deixei de me sentir criança, mas ver todas aquelas pessoas voltando a esse sentimento gostoso da infância, e ver que o brincar proporciona foi incrível! Todas as musicas, jogos, danças e outras brincadeiras foram uma oportunidade de relembrar mais um pouco o gostinho da infância. Foi um jeito muito bom de passar o horário de almoço!” – Babi, T.O. 10

fotos (1)
Equipe organizadora do evento – Semana Mundial do Brincar na Unifesp Baixada Santista

Semana Mundial do Brincar 2016

Olá amigos, como estão? Essa semana teremos postagens especiais voltadas para a Semana Mundial do Brincar, que este ano acontece de 22 a 28 de maio.

arte-smb-instaeblog-300x300

Durante este período acontecerão, em diferentes locais do Brasil, diversas iniciativas visando sensibilizar a sociedade sobre a importância do brincar e a essência da infância. A Semana é promovida pela Aliança pela Infância do Brasil (criada por Ute Craemer, que você pode conhecer melhor aqui) em parceria com dezenas de outras organizações e, por meio das atividades, objetiva mostrar que o brincar é fundamental para a construção de uma infância digna.

Nesses dias, além de brincadeiras, acontecem também: palestras, debates e mobilizações interessantes – todas gratuitas. A visibilidade do evento alcançou a esfera política, já que muitas prefeituras incorporaram a Semana Mundial do Brincar ao calendário de suas cidades.

Por que brincar é tão importante?

O BRINCAR PROMOVE O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO, AFETIVO E SOCIAL DA CRIANÇA;

O BRINCAR É INSTRUMENTO DE EXPRESSÃO DA CRIANÇA;

O BRINCAR É FONTE DE APRENDIZADO E TROCA DE SABERES;

O BRINCAR É UMA FORMA DE EXPRESSÃO CULTURAL;

O BRINCAR CRIA VÍNCULOS SOCIAIS E DE COMUNICAÇÃO;

O BRINCAR É FONTE DE PRAZER.

Confira a programação completa da Semana Mundial do Brincar clicando AQUI e um guia da Aliança pela Infância (que inclui dicas de atividades lúdicas e educativas) clicando AQUI.

Fonte: Cultura da Paz

13250447_1043706455703974_188310810_n
Sesc Santos Semana Mundial do Brincar

Confira AQUI a programação do SESC para a Semana Mundial do Brincar

Nos acompanhem nas redes sociais para mais conteúdo e informações que postaremos ao longo da semana!

Facebook: http://www.facebook.com/atividart

Instagram: http://www.instagram.com/terapiaocupacionalbr (@terapiaocupacionalbr)

Pós-Graduação Sobre TEA oferecido pela UFSCAR

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em ABA: Análise do Comportamento Aplicada à Educação de Pessoas com Transtorno do Espectro Autista e com Atraso no Desenvolvimento

Mais informações AQUI!

O Laboratório de Aprendizagem Humana Multimídia Interativa e Ensino Informativo (LAHMIEI) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em parceria com a associação de pais Ação Inclusiva, está com inscrições abertas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em ABA: Análise do Comportamento Aplicada à Educação de Pessoas com Transtorno do Espectro Autista e com Atraso no Desenvolvimento.

PÚBLICO ALVO: Profissionais das áreas da educação e da saúde, tais como: Psicologia, Educação, Fonoaudiologia, Medicina, Enfermagem, Terapia Ocupacional, Educação Física, Fisioterapia, Direito, áreas afins e pais/educadores de crianças com Transtorno do Espectro do Autismo/Desenvolvimento Atípico.

O objetivo da pós-graduação é capacitar profissionais para atuarem de acordo com os princípios da Applied Behavior Analysis (ABA) (Análise do Comportamento Aplicada). De acordo com a organização do curso, a ABA é a única abordagem cientificamente reconhecida como eficaz no ensino e tratamento do indivíduo com autismo. O curso também visa apresentar e discutir as bases teóricas e práticas que fundamentam a intervenção em Análise do Comportamento Aplicada em pessoas com desenvolvimento atípico; criar e tornar disponíveis conhecimentos que possam ser incorporados pela população individual e institucional envolvida no atendimento da pessoa com autismo; proporcionar um campo de atuação para os profissionais envolvidos na área do autismo; e melhorar a qualidade dos serviços prestados a essa população e das instituições prestadoras destes serviços. Com duração de 24 meses.

Mas corra! As inscrições vão apenas até dia 20/06