“Peles” – O drama Espanhol sobre deformidades que você precisa assistir

Sexta-feira, dia de curtir um filme 🎥, a dica de hoje é um drama meio “sombrio” que vai instigar o seus sentidos.

peles

Todo mundo sabe que os europeus tem a fama de produzir filmes polêmicos, com o longa Peles (Pieles), o diretor espanhol Eduardo Casanova, não fez diferente.
Lançado em fevereiro de 2017, o filme levantou muitas críticas, desde críticas elogiando a criatividade e o modo como é retratado, até críticas de pessoas que acharam o filme de “mau gosto”.

Peles conta a história de varias pessoas com deformidades que são de alguma forma excluídas da sociedade, obrigando-as a se isolarem e interagirem entre si apenas. Confesso que em varias cenas você se sente desconfortável em ver a situação que eles passam, há deformidades reais, como o nanismo, a obesidade, etc. E também ha deformidades imaginárias, como Ana, a garota que tem a boca no lugar do ânus, e o ânus no lugar da boca, e Laura, que tem uma espécie de pele no lugares dos olhos. Todo o filme é feito em tons de roxo e rosa, o que torna como se você estivesse em outra realidade. Um pouco “black mirror” pra quem já assistiu.

Algo perceptível é a crítica ao “ capitalismo” onde as pessoas que possuam essas diferenças são tratadas como se fossem comercializadas. Há varias situações onde você se depara com isso, um exemplo é o da Laura, a mulher que é cega por ter seus olhos tampados por pele, e é obrigada a se “prostituir”, pois crê que é a única coisa que ela é “capaz” de fazer.

Além disso, trata também a forma como o telespectador enxerga essas pessoas, há varias cenas de nudez e sexo entre eles onde o telespectador percebe que por mais que existam as diferenças, todo mundo faz as mesmas coisas/tarefas do seu jeito.

Aos Terapeutas Ocupacionais seria ótimo que assistissem com uma visão crítica, promovendo debates a cerca do tema.

Ficou curioso e com vontade de assistir? Está disponível na Netflix, e há na internet.
Se por acaso já assistiu deixe sua crítica a “Peles” nos comentários.

Até mais!

Trailer: https://youtu.be/hpHbyvsACjQ

Anúncios

Recomendação de serie: Atypical – Netflix

Trailer da serie clicando aqui.  Resultado de imagem

A serie conta contem 8 episódios de em media 30 – 40 minutos, e conta a historia de Sam, um adolescente autista leve de auto desempenho, de acordo com a DSM5, antigamente classificado como Síndrome de Asperger, conta também sua relação com a família, amigos, colegas de escola, sua psicologa e garotas. A serie ainda se expande e conta a historia desses núcleos e a relação deles (ponto de vista) com o Sam.

Inicialmente a historia é focada na vontade do jovem em começar a namorar, a partir disso aparece diversas questões, como a superproteção/libertação da mãe, o afastamento/aproximamento do pai, o sentimento da irmã de se sentir em ‘segundo plano’, a dificuldade do garoto em compreender alguns diálogos, por sua compreensão literal do que é dito, entre outras questões, que também são frequentes no autismo moderado e grave.

A complexidade da série em explorar o universo do autismo, não limitando ao sujeito,  ou ao autismo, é surpreendente e é o que faz valer a pena assisti-lá, recomendamos para expandir o seu olhar sobre.

Espero que gostem da sugestão e compartilhem conosco o que acharam da serie.

Conhece alguém ou é autista ? Nos fale se a serie traz representatividade.

Alguma sugestão de filmes que façam pensar a T.O? Colabore com o Atividart compartilhando-as com a gente através do nosso e-mail: unifespart@gmail.com

 

 

 

Holocausto Brasileiro: história, livro e filme

Dia 18 de maio é o dia nacional da luta antimanicomial, em meio a isso é impossível não lembrar do Hospital Colônia de Barbacena, o maior hospício do Brasil, que com seus tratamentos cruéis e condições de vida desumanas fez com que sua história fosse considerada um dos maiores genocídios do Brasil com a contagem de 60 mil mortes.

503486652
Luis Alfredo (1961)

Durante oito décadas o hospital recebiam pessoas que em grande maioria eram internadas a força, elas chegavam em trens superlotados de todos os cantos do país. Os motivos para que a família os enviassem para o local eram dos mais diversos, incluíam o uso de drogas, gravidez na adolescência, pessoas homossexuais, depressão e até crianças rejeitadas pelos pais, no geral eram pessoas marginalizadas pela sociedade. Várias denuncias foram feitas no período em que ele esteve aberto, inclusive a mais impactante do fotógrafo Luiz Alfredo para a revista Cruzeiro.

116822-1413273077395
Luis Alfredo (1961)

O hospital foi fundando, em 1903, com capacidade para 200 pessoas, mas em seu auge chegou a ter 5 mil pessoas. Com o grande número de mortes e a falta de espaço no cemitério local, alguns funcionários participaram de um esquema de tráfico de corpos que eram destinados a pesquisas de universidades do país. Em 1979, o psiquiatra italiano Franco Basaglia realizou uma visita e chegou a comparar o local com uma concentração nazista, ele exigiu que o hospital fosse fechado imediatamente, porém isso só veio acontecer nos anos 80.

Com o propó8b71b5236176420f4a9a8ee41a103eeesito de amplificar a história para que nunca seja esquecida, a jornalista Daniela Arbex relata em seu livro depoimentos de pessoas que foram internadas e de pessoas que trabalharam no local, além de descrever todo o horror que se passava ali dentro.

No final de 2016 a mesma jornalista escreveu o roteiro do filme produzido pela HBO inspirado em seu livro. Segundo ela, o filme segue o mesmo objetivo do livro, onde é necessário mostrar o desagradável para causar a revolta no telespectador.

 

 

acervo_museu_da_loucura_barbacena_4
Museu da Loucura / Foto: Deborah Marcier

Há um ano atrás foi reaberto o Museu da Loucura, onde há preservação da memória e a intenção de impactar os visitantes, a entrada é gratuita. Endereço: Avenida 14 de agosto, sem número, no Bairro Floresta, Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena.

No Youtube é possível assistir uma reportagem feita pela Globo News com imagens, entrevistas com ex-internos e com a própria Daniela  Arbex. Confira:

 

 

 

Sugestão de filme- Amargo regresso

21062196_201311291532435.jpg-c_300_300_x-f_jpg-q_x-xxyxx
A dica de hoje é um romacezinho pra lá de cativante! Com aquele toque vintage de emoção, o filme que conquistou o coração do público na década de 70 e ganhou vários prêmios, apresento-lhes Amargo regresso:
Sinopse: A Versátil e a Metro-Goldwyn-Mayer apresentam Amargo Regresso, um dos filmes mais aclamados da década de 70. Vencedor de 3 Oscar, melhor atriz (Jane Fonda), ator (Jon Voight) e roteiro original; e do Prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes; este clássico pacifista é apresentado em Edição Especial, com quase uma hora de vídeos extras, incluindo making of. Em 1968, Bob Hyde, um oficial da Marinha americana, embarca para o Vietnã. Sally, sua esposa, vai trabalhar em um hospital de veteranos e lá se apaixona por Luke Martin, um sargento que ficou paraplégico na guerra. Quando Bob volta aos Estados Unidos, os três precisarão lidar com o impacto de uma guerra brutal e distante que mudou suas vidas para sempre. Hal Ashby, o diretor de Muito Além do Jardim e Ensina-me Viver, realiza, com grande sensibilidade e humanismo, um drama emblemático sobre os traumas da Guerra do Vietnã. (Fonte: Inter Filmes)

Sugestão de filme: Adam

19391501
A nossa dica de hoje chega acompanhando a campanha de Conscientização do Autismo, realizada há alguns dias. O filme retrata um dos transtornos do espectro do autismo: a Síndrome de Asperger.

“Adam” é um filme de Max Mayer lançado no ano de 2009. O filme retrata a vida do jovem Adam, portador da Síndrome de Asperger, considerada um dos tipos de autismo. Adam acaba de perder o pai quando conhece Beth, sua vizinha, e juntos eles começam uma relação. Ela, porém, não compreende de início algumas atitudes de Adam, que por sua vez passa a apresentar a Beth o mundo em que vive e a sua visão de tudo, de forma didática o protagonista explica o que é a síndrome e como foi aprender a conviver com ela no decorrer de sua vida.

Trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=ryt3rPAE010

Diante do conhecimento acerca da Síndrome de Asperger e do que podemos observar no filme a T.O. possui um importante papel junto aos portadores desta síndrome, uma vez que sua intervenção se faz necessária desde os primeiros anos de vida, auxiliando no desenvolvimento de habilidades sociais e intervindo em manifestações de alterações de humor e problemas com a atenção. Quanto mais precoce for o diagnóstico e tratamento, maiores serão as chances do desenvolvimento se dar de maneira mais saudável, promovendo uma melhor qualidade de vida ao cliente.

Alguma sugestão de filmes que façam pensar a T.O.? Colabore com o Atividart compartilhando-as com a gente através do nosso e-mail: unifespart@gmail.com

Não deixem de conferir!

Sugestão de filme:Uma mente brilhante

UMA-MENTE-BRILHANTE

Nossa dica de hoje é o filme Uma mente brilhante ,que conta a história do matemático John Nash,diagnosticado com esquizofrenia.

Sinopse: John Nash (Russell Crowe) é um gênio da matemática que, aos 21 anos, formulou um teorema que provou sua genialidade e o torno aclamado no meio onde atuava. Mas aos poucos o belo e arrogante Nash se transforma em um sofrido e atormentado homem, que chega  a ser diagnosticado como esquizofrênico pelos médicos que o tratam.Após  anos de luta para se recuperar, ele consegue retornar à sua carreira e é premiado com o Nobel.

O filme tem uma relação com a T.O. no campo da saúde mental.

Sugestão de filme-Soul surfer

 

Filmes-de-Surf-Soul-Surfer-Completo-dublado.jpg

E a sugestão de hoje é um filme baseado na história da surfista Bethany Hamilton,uma história de superação e que vale a pena conferir.

Sinopse: Bethany Hamilton (AnnaSophia Robb) é uma adolescente apaixonada pelo surfe, o que a transformou numa campeã do esporte. Mas um dia sua sorte mudou e ela foi atacada por um tubarão, que arrancou um de seus braços. Apesar de parecer que tudo estava perdido, com o apoio dos pais (Dennis Quaid e Helen Hunt), da melhor amiga Sarah (Carrie Underwood) e das inúmeras cartas que recebe dos fãs, Hamilton cria coragem e junta forças para reaprender a pegar onda, respeitando seus limites, mas nunca abandonando sua vocação de vencedora.